sábado, janeiro 11, 2014

A noite da Praça e o São Gonçalinho 2014

 

Em fim de semana de São Gonçalinho, voltei, ontem, a sair um pouco à noite. Algumas notas:
- inacreditável como, até à noite, o Largo da Praça do Peixe serve de parque de estacionamento para vários automóveis. A polícia não vê, não faz nada.
- Quis matar saudades do Clandestino, mas estava fechado. Fechou de vez ou eu é que tive azar?
- Dos novos espaços, pareceu-me ser o «À Portuguesa» claramente o melhor.
- O Toc'Aqui continua animado e com boa música.

Sobre o São Gonçalinho, parabéns à Mordomia da nossa festa pela ideia de colocarem o palco por cima do Cais dos Botirões. Parabéns também pela imagem e pelo marketing que começa a ser visível em redor da festa. 
Muito boa também a escolha dos GNR para atracção principal da festa deste ano. 


6 comentários:

Anónimo disse...

Por ausência imprevista não pude assistir ao concerto dos GNR.
Teria gostado de ouvir Rui Reininho e D.Isabel Silvestre "A Senhora de Manhouce" de quem gosto imenso.
Espero que tenha sido um êxito, Aveiro merece bons espectáculos e faço votos que tenha sido S. Gonçalinho e re-iniciar esse ciclo!...
De canalizadores cantores,de kit`s, de fanfarras e quejandos estou farto e nada disto vi!...
Viva S. Gonçalinho, Viva Aveiro!

João f disse...

Moro num dos extremos da cidade, mas nada que me impede de ir a pé até ao Rossio antes pelo contrário, e também reparei em alguns carros estacionados na Praça do Peixe assim como em várias ruas muito próximas do centro nevrálgico das festas. Mas quando regressava para espanto meu, havia carros estacionados em cima dos campos de jogos na Fonte Nova, nas imediações de um bar. A tudo isto devo chamar falta de civismo, e como tal deve haver formas dissuasoras, e por fim multas aplicar. Ora acontece, que tanto na ida como na volta, não vi nenhum agente da polícia, tanto da PSP como da GNR, identificados o que por um lado é bom, porque somos uma cidade pacata, mas por outro lado dá aso para já, a algumas faltas de civismo que têm que ser contrariadas.

Anónimo disse...

Apesar de "ceboleiro", filho de pai "cagaréu" e mãe "ceboleira", também moro num dos extremos da cidade e num instante estou no centro.
Desde que o "outro snr" autorizou a construção do "aquário" no Parque da Fonte Nova a estrada pedonal transformou-se num parque de estacionamento absoluto e não só!
Arrancaram várias vezes os pilares que vedavam a passagem a veículos, partiram as pedras do passeio com as tropelias automobilísticas de sexta-feira e sábados à noite, estacionavam em cima dos campos, nas barbas do "outro snr", enfim, um regabofe completo, até que abriram definitivamente a passagem a qualquer veículo!
João f tem razão porque vê como todos, incluindo os autarcas!
Parece-me que a situação piorou pelo "tipo" de pessoas que exploram actualmente o tal "aquário"!
Faltando muito do civismo e educação que era suposto haver, e se esta Autarquia nada fizer para contrariar, vai ser uma pouca vergonha daquelas...

Anónimo disse...

Se assim continuar Aveiro não tem CONSERTO!
Lamenta-se, mas não vai deixar de ser uma "espinha" na garganta de quem dela gosta!
Continuidade dos últimos oito anos, não, mil vezes não!...
Não podem, não devem ser iguais!

Joao Oliveira disse...

O clandestino fechou há uns 3 meses...

Anónimo disse...

Os automóveis, sempre os automóveis, que diabo, mas não é Aveiro a capital do Automóvel!?

Estão por todo o lado, em cima de passeios,de passadeiras, em cima de equipamentos desportivos (Cais da Fonte Nova), em cima de tudo o que é linha amarela, semana após semana, mês após mês, ano após ano.

Até se corre o risco de se ser atropelado em cima de passeios - veja-se o caso em frente aos antigos Serviços Municipalizados na Forca (praceta do prédio grande que tem as tintas Robialac) local onde, mesmo segundo a PSP, é considerado "estrada", uma espécie de herança democrática por lá haver dois lugares devidamente demarcados para viaturas de deficientes só que, o peão que desemboca da passadeira (em grande número), obrigatoriamente não tem outro sítio para atravessar, pois até o passeio que contornava o jardim foi aniquilado. Asneira de quem? Da CMA, lógico, que não se digna sinalizar convenientemente, eventualmente, proibindo a circulação exceto para cargas e descargas. Mas não, interessa mais forrar os túneis a azulejo e, como alguém disse em tempos, aos agora higiénicos túneis só lhes falta uns cortinados de casa de banho a condizer. A bela e essencial obra do anterior regime será concluída neste novo regime.

Junto com a enguia, a cavaca, o ovo mole e o moliceiro decepado, deve também fazer parte do imaginário de Aveiro, a condução automóvel, como símbolo do "novo riquismo" saloio desta cidade.

Já agora, os ciclistas, que tanto apregoam "direitos" e querem ser respeitados, deveriam respeitar os peões, pois só as criançinhas até aos 10 anos nos passeios podem circular. Respeitar os peões e aprenderem de uma vez por todas a conduzir velocípedes em geral. Há dias, um, acelerando furiosamente por cima de um passeio num bairro, respondeu à interpelação de que "não podia circular aqui de bicicleta": "mas aonde é que isso está escrito"? Está tudo dito!

Mas OK, é Aveiro, e tudo ao molho!

Já agora,também, onde para a polícia que poderia dissuadir em grande medida todos estes cromos carimbados que para ai andam de volantes nas mãos? Provavelmente em contraordenação, também, quer-se dizer, de bicicleta em cima de passeios (LOL)!